Desde 2005, São Paulo transforma um fim de semana de seu calendário num verdadeiro caldeirão de cultura. Nos dias 20 e 21, a 11ª Virada Cultural, evento com 24 horas de arte, música, dança e outras manifestações populares, aporta com diversas atrações para todos os gostos e públicos na região central da cidade. Para quem estará em Sampa no próximo fim de semana, o IT’S selecionou cinco apresentações imperdíveis para anotar na agenda.

Parte do coletivo da Mel. Foto: Divulgação

Parte do coletivo da Mel. Foto: Divulgação

Festa Mel
Com gosto de milho e canjica, a Festa Mel chega à região do Jardim da Luz com muita música brasileira – de todos os ritmos – e seu clã performático, que cresce a cada edição, como contou o DJ Ad Ferrera, um dos idealizadores do projeto, ao IT’S. Nas pick-ups, além do próprio Ad, os Djs Tide, Rosa, Zalma e Jjoão Paes vão colocar todo mundo para dançar. Das 18h, do dia 20, às 06h, do dia 21, no Parque Jardim da Luz, Rua Ribeiro de Lima, Bom Retiro.

Rodrigo Caffer na performance Lá. Foto: Divulgação

Intervenção
Inspirado na obra e vida do cartunista Laerte Coutinho, o artista Rodrigo Caffer reflete sobre a vestimenta do cotidiano e a transposição de limites na performance “Lá”, dialogando com o vestuário, o espaço público e modos de convivência. No Sesc Pompeia, Rua Clélia, 93, 00h de domingo, 21.

Rico Dalasam é uma das atrações do Palco Leôncio de Carvalho. Foto: Reprodução

Show Rico Dalasam
Após balançar Nova York no novo clipe, Rico Dalasam faz show em São Paulo, nessa edição da Virada. Ainda plantando os frutos da jovem e promissora carreira, o rapper de Taboão da Serra, região metropolitana de SP, solta o verbo na tarde de domingo, 21, com músicas (engajadas) sobre preconceito, aceitação e amor. No Palco Leôncio de Carvalho, Rua Leôncio de Carvalho, 50, às 15h10.

>> Veja o novo clipe de Rico Dalasam.

Os rapazes do G.R.U.A no espetáculo “Corpos de Passagem”. Foto: Divulgação

Dança Corpos de Passagem
O coletivo G.R.U.A (Gentlemen de Rua) apresenta seu espetáculo “Corpos de Passagem”, que une dança e movimentos de esportes como parkour e capoeira. Vestidos como executivos, o grupo propõe uma reflexão sobre os padrões sociais e a representação da vestimenta desses homens de negócios no mundo capitalista. No Sesc Ipiranga, Rua Bom Pastor, 822, sábado, 20, às 23h30.

Biding Time (remix) é um espetáculo “tem que ver” da programação da Virada. Foto: Tommy Ga-ken Wan/Reprodução

Espetáculo Biding Time (remix)
A banda escocesa A Band Called Quinn, formada pela cantora e compositora Louise Quinn e pelos músicos Martin McCormick, Bal Cooke, Robert Henderson e Steven Westwater, apresenta “Biding Time (remix)”. O espetáculo multimídia, que também faz parte do 19º Festival Cultura Inglesa, é uma colaboração entre o grupo e o diretor Ben Harrison, e gira em torno do som ao vido da banda, com projeções de Uisdean Murray, diretor que já colaborou com eles, e um coelho branco. Ah, e tudo é baseado na experiência que Louise teve para alcançar sucesso na indústria musical. No dia 20, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, Rua Três Rios, 363, Bom Retiro, às 20h. Classificação: 14 anos.

 

Comentários