Lançar uma nova marca de moda em meio à crise é algo desafiador, certo? Para o estilista Everton Moreira, esse é o melhor momento para estrear no mercado. Com sua FCKT, ele faz uma análise da atual crise econômica unindo duas vertentes: design minimalista e preços justos, já que o período pede também uma nova percepção de valores. Para a estreia, Everton reúne no dia 05 de dezembro, no WE Hostel, em São Paulo, arte, música e fotografia numa exposição que vai além do simples ato da compra, como cita logo abaixo em entrevista exclusiva ao IT’S.

Por lá, além de apresentar suas primeiras criações, ele, que trabalha no ramo há 15 anos, vai conversar com o público e entender as necessidades e desejos do futuro cliente, que terá o poder de escolher o que vestir sem limitações ou estereótipos. Tema, inclusive, que voltou às rodas de moda este ano. Assim como outros novos nomes, a FCKT busca desmistificar as questões de gêneros por meio da roupa, acreditando no potencial dessas tendências comportamentais. Aqui, confira o bate papo superbacana com Everton sobre este e outros assuntos. E você, o que acha? Conta pra gente nos comentários!

Campanha da FCKT por Caroline Castella e beleza de Liege Wisniewski, com os modelos Alessandro Pierozan e Ana Schimiloski

Campanha da FCKT por Caroline Castella e beleza de Liege Wisniewski, com os modelos Alessandro Pierozan e Ana Schimiloski

Site IT’S: Como surgiu a ideia de criar a FCKT? E o nome?

Everton Moreira: A FCKT surgiu da necessidade de mercado em fazer algo na moda que não esbarrasse na maneira que as grandes companhias restringem seu desenvolvimento de produto, sem analisar seu público alvo e ouvi-lo, transmitindo isso ao design das coleções. A indústria atacadista de confecção brasileira se desenvolveu muito nos últimos anos, mas esqueceu de um fato muito importante: fazemos roupa para pessoas e pessoas não são números, tem seus desejos, necessidades, se expressam através da roupa e enfrentam as mais diversas condições climáticas numa mesma estação.

Pensando nesse quadro, desenho a coleção da marca para atender um público que procura o básico com linguagem minimalista prática, de pegada streetwear e não gênero, pra galera que quer e não encontra isso, dominados pela oferta de produtos das lojas de grandes conglomerados que invadiram e monopolizaram a maioria dos shoppings. Quero me conectar com o cliente, entendê-lo e facilitar sua vida na hora de se vestir, garantindo um bom negócio, pois a ideia da minha roupa é compartilhar com a namorada, namorado, amigo, amiga ou com quem mais quiser.

Já o nome Fckt vem da ideia de dar um “foda-se”, desligar e relaxar trazendo essa proposta também para a hora em que vamos nos vestir, fazendo disso um exercício desencanado e prazeroso, seja nas primeiras horas da manhã ou antes do rolê.

Alessandro Pierozan para FCKT. Foto: Caroline Castella/Divulgação

Alessandro Pierozan para FCKT. Foto: Caroline Castella/Divulgação

IT’S: Outras etiquetas brasileiras, assim como a FCKT, estão apostando numa pegada minimalista e longe de gêneros. Para você, qual a importância de marcas unissex para a moda brasileira?

EM: Vejo isso como uma tendência comportamental, e o mercado se prepara para atender o público redirecionando suas coleções conforme surgem os novos desejos. Além de que o produto unissex permite um amplo uso compartilhado, o que torna a aquisição mais atraente financeiramente, mais inteligente, pois pode ser usado por você e mais alguém de maneiras diferentes, conforme estilo e anatomia de cada um.

Foto: Caroline Castella/Divulgação

Foto: Caroline Castella/Divulgação

É mesmo uma questão de contemporização na maneira de agir, pensar e vestir, que nós brasileiros recém descobrimos. Dá-se a possibilidade de explorar novos mercados e novas frentes de negócio, sem deixar de ser básico e ao mesmo tempo brincar com o estilo. Afinal, minimalismo é a maneira elegante de enfrentar a crise com “estilo”, limpando excessos e viabilizando o produto de acordo com o novo momento, quando estilistas propõem alternativas a soluções de consumo, que atendam não somente ao desejo de um novo design como também de seu custo, equilibrando essa relação.

IT’S: E as referências dessa primeira coleção?

EM: Eu tenho um caminhão de referências pra essa coleção! Primeiro, começa pela música e meus ícones como David Bowie, Freddie Mercury, Grace Jones, precursores desse estilo, que “brincam” com gêneros desde os anos 70. Passando por Cazuza, Madonna, Lady Gaga, Conchita Wurst e Shamir, que trouxeram esse questionamento mais atualmente. Artistas que nos impactam pelo talento e nos surpreendem pela autenticidade visual. Das artes, foi Pollock quem me inspirou para algumas das raras estampas artesanais dessa coleção. E quando falo de arquitetura cito as formas que tomam conta da construção e engenharia da minha modelagem. Vejo tudo isso no meu dia a dia, moro na região central de São Paulo e contemplo desde Oscar Niemeyer (clean/minimal-futurista) ao caos urbano entulhado e contrastante, presentes na cidade.

IT’S: Tecidos e materiais usados…

EM: Nosso estilo aqui na FCKT é prático e urbano. Saca aquela roupa que te deixe confortável e ao mesmo tempo não pareça pijama? É esse nosso espírito. Por isso, a maior parte da coleção é feita em malha, considerando que é uma base sempre confortável, não amassa e é fácil de cuidar. Para essa coleção foi destacado o shape da long tee, nova proposta de comprimento das camisetas, nos bottons passamos desde a bermuda saruel de influência oriental, lembrando o japonismo na moda da década de 90, até algo mais utilitário. Vale tudo para levantar a camiseta básica dos looks, inclusive saia de moletom, que arremata o conceito não gênero da FCKT. A construção das peças em gaze de algodão e linho também segue o shape extra large para os tecidos planos. Na cartela de cores estão o preto, branco, off-white, cinza-mescla. Se tivesse que definir um estilo seria “roupa pra usar agora”.

IT’S: O lançamento vai rolar no WE Hostel, mas quais os planos para comercializar as peças em multimarcas ou loja online?

EM: Inicialmente a venda será feita durante o evento, pois acredito em um novo formato de experiência de compra. Aguardo a todos que nos leem aqui! Numa segunda fase, estamos preparando nosso e-commerce para o próximo ano, que também terá um formato mais leve com conteúdo e comentários sobre assuntos que pautam nosso estilo. Mas quem quiser comprar já, pode ir até nossa fanpage no Facebook e solicitar seu pedido inbox. Sobre outros pontos de venda, estamos estabelecendo novas parcerias, que vocês podem acompanhar em nossas redes sociais. Queremos atender também lojistas de todo Brasil. Isso tudo até o final do primeiro semestre de 2016.

Foto: Caroline Castella/Divulgação

Foto: Caroline Castella/Divulgação

IT’S: E outros planos para o futuro…

EM: Construir uma marca sólida, uma empresa financeiramente saudável, desfilar na Casa de Criadores e reverter essa imagem de que o que está na passarela não é acessível. Ah… E também ter uma concept store.

Lançamento FCKT
Dia 05/12, no We Hostel
Rua Morgado de Mateus, 567, Vila Mariana, São Paulo

Comentários