“Então você não teve infância”, muitos de nós já escutamos alguém pronunciar essa frase na tentativa de explicar um momento peculiar de quando era criança. Poucos percebem o quão cruel a expressão pode parecer, mas Marcelo Stockler, mente e coração por trás da Vertente, sabe muito bem disso e resolveu reunir essas lembranças no que traduz de “coleção de memórias”. “A verdade é que sempre me encantei por todas as lembranças de família. Me ver pequeno, em especial dentro de uma época que não volta mais. Isso tudo mexe muito comigo”, lembra o artista em entrevista ao IT’S.

Vertente: amor e inocência nas memórias da infância

Algumas criações da Vertente em plataformas diferentes. Fotos: Marcelo Stockler/Divulgação

A marca multilinguagem une desenho, fotografia e pintura de forma transversal, já que as cerâmicas, quadros, camisetas e fronhas, lançadas recentemente, conversam entre si nos traços delicados, na nostalgia das imagens ou nos personagens que compõem as acrílicas sobre papel. “Nunca fui bom na comunicação verbal-oral, talvez aí esteja a minha necessidade de fotografar, pintar, desenhar ou misturar todas elas. Tenho explorado essas possibilidades. Estou em uma fase bem produtiva e objetiva, o que me deixa pleno e me faz continuar“, conta entusiasmado.

Vertente: amor e inocência nas memórias da infância

Marcelo une fotografia em desenho. Foto: Marcelo Stockler/Divulgação

Ao lado de uma boa xícara de café, amiga inseparável, ele observa no dia a dia o comportamento das pessoas a sua volta e se sente preparado pra começar a produzir. “Coleciono objetos, fotografias e livros que são a base para os meus desenhos”, todos concebidos sem rostos, como se estes fossem apagados propositalmente na intenção de levar o expectador a se ver ali. “O que me realiza de verdade é ver outras pessoas se identificando com as imagens e se sentindo tocadas de alguma maneira”.

Vertente: amor e inocência nas memórias da infância

Foto: Marcelo Stockler/Divulgação

No seu processo criativo, Stockler descobriu uma paixão grande pelos materiais que remetem a essa fase inocente da vida, como o desenho de uma baleia que fez para os colegas da escola, no qual relembra como uma das memórias mais marcante da infância.

Sua estética e linguagem visual chamou atenção da gringa. Há um ano foi convidado para expor e vender na loja-galeria BASE, em Miami, e em breve seus trabalhos também estarão na unidade da loja no Brooklyn, em NYC. No Brasil, ele vende sob encomenda por e-mail ou pelo Instagram (@vertente) e faz questão de entregar em mãos sempre que pode. “É maravilhoso imaginar alguém aqui perto ou do outro lado do mundo se identificando com um desenho que fiz. Afinal, os faço pra que os outros se vejam e lembrem-se do que não deve ser esquecido: o amor e a inocência”. Duas concepções contemporâneas fadadas ao esquecimento, mas se depender da Vertente não.

+Infos: mastockler@gmail.com

Comentários